SOMOS UM ÚNICO POVO




No Município em que moro, São João de Meriti-RJ,  se faz necessário muitas ações não só do setor público, como também, privado e de toda a nossa comunidade, para que sejamos modelos para outras cidades e quem sabe para nosso país.
            Sabemos que cada eleição que se aproxima ouviremos praticamente as mesmas promessas, principalmente aquelas em relação aos problemas atuais que cada cidade vive. 
Exemplo:  se na sua cidade o problema pior é a violência, então praticamente todos os candidatos irão dizer que tem projetos e idéias para a solução da violência.  Se for a saúde, acontece o mesmo, enfim, com a educação, Meio Ambiente, discriminação com os Deficientes, LGBT, Racismo, Transgênicos, Intolerância Religiosa, etc...
            Mas o que deixamos de focar como o principal ponto inicial para qualquer mudança é o próprio ser humano. Ou seja, só quem pode salvar a vida de um ser humano, só o próprio ser humano (Médicos Sem Fronteira).
            Usando outro exemplo que vem desde a criação do mundo, está a própria Bíblia.  Deus criou o Homem (isto é, homens e mulheres) Deus não especificou, o gay, o transgênico, o negro, o índio, o estrangeiro, o deficiente, o do partido tal, o do time tal, nada disso. É o ser humano.  Então Deus criou o homem a sua imagem e semelhança e que devemos amar o próximo como a nós mesmo.  Isto não quer dizer que você é obrigado a concordar com tudo, mas se você não aceita as escolhas de cada um, como também o próprio Deus não aceita certos erros que cometemos (roubar, matar, adulterar, invejar, discriminar, orgulho, altivez, corrupção, ...) mas ele nos ama, mesmo sem você perceber, ele cuida de você até a hora de você partir deste mundo.  Deus também diz que o amor de muitos se esfriarão. Isto quer dizer, falta de perdão, não estender a mão ao caído, não alimentar e dar água ao faminto, não vestir o morador de rua, não oferecer Educação de qualidade, Saúde de qualidade, Segurança, Lazer, e muito mais.....
            É preciso focar não só nos projetos, porque muitos nem saiam do papel, mas principalmente nas ações. Pois como a Fé sem Obras é morta, então as promessas também. Nem sempre conseguimos aprovação de nossos projetos que ainda estão no papel, mas as vezes é possível sim, realizar ações de emergência, que será o pontapé inicial para que alguém, alguma empresa e o poder público maior que o nosso, sinta-se  então, responsável pelo que ainda não foi capaz de fazer.
            Digo tudo isto como exemplo próprio. Desde 1996 iniciei vários projetos, só que foi da forma contrária, foquei nas ações e deixei o papel para depois. Ou seja, vários atendimentos sociais, ações sociais em comunidades, trabalhando em parceria com setor privado e público, como balcão de emprego, assistência jurídica, área da saúde, e muitas outras ações.
Mas para a parte do papel crescer, por incrível que pareça você tem que perder algo para alguém e com isso adiar alguns sonhos (maldita corrupção). Foi isso que aconteceu com minha ONG Instituto Gerando Futuro, eu a perdi, sim. Cansei de receber propostas para lavagem de dinheiro, mas preferi seguir com dificuldades que eram constantes. ela foi extinta por falta de entrega de declarações anuais, não por fraudes, até porque nunca abrimos conta bancária e nunca tivemos qualquer benefício financeiro mensal de nenhum setor publico e nem privado. No máximo que conseguíamos eram doações de objetos que já não funcionavam para reciclagem em ferro velho e olhe lá.  Não tive competência administrativa, faltou união da diretoria, que só entrou para compor a equipe, mas não tinha o mesmo sonho que o meu. E com os erros crescemos ou desistimos.
Por isso é importante a união desses dois fatores, Projetos e Ações. Se quisermos ajudar alguém precisamos planejar e depois colocar em prática, mas de forma simultânea, e achando as pessoas com o mesmo ideal de mudanças, mas tendo a consciência que cada uma tem sua personalidade e forma de trabalhar, criando assim uma família com suas qualidades e defeitos.
Os doze apóstolos de Cristo, cada um tinham seus defeitos, mas foram usados por Deus para concluir seu propósito aqui na terra.

Então que se façam novas leis focando no ser humano  e não nas suas escolhas pessoais, na sua raça, crença, deficiência, país, escolaridade, mas apenas leis que vai beneficiar a todos de forma geral.